domingo, 13 de dezembro de 2015

Perdida...

sea, art, and hair image
E quando me sinto perdida sem saber o que fazer para me encontrar é suposto fazer o quê? Continuar a sorrir do mesmo modo? Fingir que tudo se encontra bem, quando nem eu própria me encontro?
Há demasiada pressão para não exteriorizar aquilo que nos aflige dentro do nosso coração, ou cérebro, ou seja o que for. É suposto ser invencível e indestrutível. Ser mais forte do que aquilo que nos atinge com toda a força. Mas há dias em que não apetece ter de lutar com alguns fantasmas. Há dias em que apenas apetece baixar a guarda e viver um pouco essa tristeza e essa incerteza e não ter de ser forte o tempo todo. 
Mas não é por não apetecer lutar que alguma vez vamos querer sentir-nos perdidos de nós mesmos... Porque queremos saber quem somos e sê-lo à mesma. Ou então mudar algo que achamos que não devíamos ser e tornar-nos mais próximos do que queríamos. Mas até que ponto devemos mudar algo em nós mesmos porque achamos que isso não se enquadra no que é desejável aos outros? Devemos mudar algo que sentimos não ser muito bom por nós próprios, porque sentimos que realmente não devemos agir de dado modo, sobretudo se magoamos alguém que amamos e abrimos finalmente os olhos para algo que já nos andavam a chamar à atenção.
Há dias em que me encontro num barco a viajar pelo meu próprio ser, e encontrar o porto seguro parece estar tão distante. Há dias e dias...

Love, S.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #10

umbrella and rain image

Aproveitar os dias de S. Martinho com este sol maravilhoso que nos permite deixar o amigo chapéu de chuva em casa a descansar.
Dias de sol e alguns melhores do que de primavera têm sido bons, mas também vai fazer parte quando o frio voltar e com ele os casacos.

P.s.: O fim de semana está quase a chegar! (: Aproveitem-no bem.

Love, S.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Que tristeza

girl, glasses, and grunge image

Tentar manter o foco e cumprir tudo o que já tenho de fazer, e ainda ter tempo para algo que gosto tem-se revelado difícil. Não largo o computador e não é por não o ter que não venho aqui, é por ter antes demasiado a fazer. 
Quero tanto ler os vossos blogues e continuar a acompanhar-vos nos vossos desabafos ou histórias que encantam. E também quero tanto escrever para que me possam ler e dar um outro sentido às minhas palavras, e não deixá-las simplesmente num papel amachucado e a ganhar pó.
Quero tanto e o tempo é tão pouco, mas sinceramente não pediria dias com mais tempo porque se já tenho dormido pouco então suspeito que ainda ia dormir menos, ia sempre arranjar mais alguma coisa a fazer. 
Como têm sido os vossos dias? E como estão os vossos cantinhos? 
Perguntas às quais posso responder com facilidade se tiver tempo de ir visitar os vossos blogues... Que chatice! É que sinto-me realmente aborrecida por não poder dedicar o mesmo tempo de antes...
E sei que muitas pessoas podem já nem ler as palavras que deposito neste meu cantinho, porque a presença é cada vez menor e não censuro ninguém. Mas é triste à mesma.

Love, S.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Felicidade em mim

love, couple, and hug image
E de todos os bons motivos no mundo para sorrir, o melhor és tu. Tu e o teu jeito de me plantar um sorriso no rosto que não morre nem com o inverno que se avizinha. Conheci-te com a sensação de que já nos completávamos há anos, que fazias parte de mim há muito e que eu não te queria por pouco tempo como companhia. Nem somente como amigo, apesar de seres o meu melhor amigo. 
Estás presente sempre sem que eu peça a tua presença, porque sabes o que isso significa para mim. As horas voam e os minutos? Bem esses desaparecem! Mas cada segundo a teu lado preenche o meu pequeno coração que te ama imenso. 
As palavras que a ti dedico parecem sempre insuficientes quando relembro até aquilo que alguns podem denominar de um "simples" beijo. Para mim de simples não tem nada. Não porque exija esforço, mas porque se com o toque dos teus lábios nos meus eu sinto uma felicidade inexplicável, e que tudo está bem mesmo nos piores dias, então isso é um processo complexo mas sem esforço algum.
Agradeço-te tudo, mas ao mesmo tempo sei que não preciso de o fazer. Tal como tu não precisas de o fazer comigo. 

Amo amar-te e amo que me ames. 

Love, S.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Há dias e dias...

Olha-me nos olhos e diz-me o que vês. 
Eu não sei o que vejo quando me olho no espelho, porque há dias em que não me reconheço e em que acho que não sou bem eu...
Estar triste é assim. É estar e não estar bem  em mim. Não saber o que pensar e não querer sequer pensar. Querer estar apenas a descansar a cabeça de pensamentos que sobrecarregam e magoam. 
Há dias assim.


Love, S.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Tanta coisa para fazer...

Mas só me apetece dormir!
Esta semana ainda só vai a meio e eu já tive de correr de um lado para o outro, fazer uma apresentação, fichas, relatórios etc e etc e etc.
Sinto-me tão cansada... E já só peço que o fim de semana chegue para dormir o que bem preciso.

Espero que tenham uma semana boa!

Love, S. 

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Palavras soltas

Untitled | Flickr - Photo Sharing!

O tempo passa, e nós andamos ao lado dele.
O presente torna-se passado, e o futuro o presente.
Quando damos por nós os dias estão a passar rapidamente.
Mesmo quando nos custam mais,
Voaram como o vento entre os nossos cabelos.

Tentamos aproveitar ao máximo,
Ou se calhar achamos que sim.
Mas talvez não olhemos os dias como devíamos,
Porque é difícil fazê-lo assim,
Agradecendo cada pormenor
Daquilo que nos faz sentir vivos.

Mas há dias cinzentos...
Há dias mais ou menos...
Porque também não podíamos ter sempre
Tudo aquilo que temos.

Vamos vivendo,
Sorrindo e querendo o que os dias nos dão.
Talvez uns dias sim, 
Talvez uns não.


Nem sei bem o que estou a escrever, mas aproveitei uma inspiração momentânea e deixo aqui as minhas estranhas palavras para vocês (:

Love, S.


sábado, 10 de outubro de 2015

Lazy days

Pinterest
Este tempo cinzento pesa. Por vezes adoro-o e o facto de me fazer passar o fim-de-semana em casa no abrigo do cobertor. Mas por vezes a chuva e este ambiente causam-me dores de cabeça... E depois não há vontade de nada. Nem de ler, nem ouvir música, nem desenhar, nem ver televisão. 
Vontade de nada a não ser permanecer no quentinho do cobertor e abraçada ao meu amor. Ver as gotas na janela, ouvir o vento a abanar os ramos das árvores, e permanecer imune a tudo isso enquanto sinto o meu coração preenchido com simples carinhos.
Mas depois quando ele tem de ir embora fica o espaço a meu lado vazio, e eu olhando-o como se por magia ele voltasse a aparecer lá. Mas mesmo longe estamos perto, porque o amor que nos une e aproxima faz a distância parecer mais curta.

Love, S.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #09

Untitled
Saber que vou ter muito trabalho pela frente e que já o vejo a aproximar-se em forma de trabalhos, relatórios, frequências e afins, mas que me esforcei para estar onde estou e que vou continuar a esforçar-me. Porque apesar de por vezes nos sentirmos sobrecarregados temos de parar um bocado e perceber que se merecemos o nosso lugar então devemos estar satisfeitos (apesar de cansados) .
Por isso, uma razão que para mim é válida para ser feliz é ter chegado onde estou.

Love, S.

domingo, 4 de outubro de 2015

Pequenos textos #05

fashion is art | via Tumblr
A água já estava a borbulhar e a chaleira já começara o chinfrim habitual, que apesar de para a maioria ser irritante para ela era um som familiar, por isso desligou o lume e deitou a água na caneca  velha e já com a asa colada. Ella sabia que era demasiado agarrada às memórias e aos objectos que de alguma forma faziam parte das mesmas. Tanto a chaleira como a caneca lhe tinham sido deixados pela avó, e faziam-na relembrar sempre o ritual do chá que elas tinham quando ela era uma menina. Era algo especial beber dali, era como uma viagem à sua infância quando fechava os olhos para saborear qualquer que fosse a infusão que tinha escolhido para essa vez.
Coisa estranha, pensava, esta a das memórias ligadas a algo que para a maioria é tão banal.
Mas para si nunca seria algo banal, era algo mágico que lhe fazia lembrar a avó que era tão importante para ela e partira cedo demais da sua vida. Qualquer altura seria demasiado cedo... Porque alguém tão bondoso devia ser eterno.
Fechou novamente os olhos e bebeu o resto do chá acabando por esboçar um sorriso, porque a saudade nunca iria acabar, mas aquele ritual também nunca ia deixar de lhe saber a felicidade e de lhe aquecer o coração.

Love, S.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Sê bem-vindo Outubro

Outubro chegou e com ele talvez chegue o tempo típico do outono. A temperatura a descer e uma brisa que dança entre os nossos cabelos e os despenteia. Em breve vai chegar o tempo dos casacos ainda não muito quentes e daquelas botas que queremos usar.
Mas Outubro traz algo de muito mais belo. Aqueles tons dourados, castanhos e amarelos das folhas que se preparam para deixar a árvore que foi o seu abrigo ao longo de um ano. Deixando-a entregue a si própria. É um fenómeno que é para mim fascinante e me relembra a nossa própria renovação ao longo dos anos.

Sê bem-vindo Outubro*

Love, S. 

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Sunshine Blogger Award


DK nomeou-me para esta TAG e eu é claro que com todo o gosto aceito (:

Regras:
Agradecer à/ao blogger que te nomeou e mandar-lhe o link da tua resposta;
Listar as regras e exibir o logótipo no blogue;
Responder às perguntas;
Nomear outros blogues e notificá-los da nomeação;
Criar perguntas para os blogues nomeados responderem.

Perguntas da DK:
1. Qual o vosso objetivo a criar um blog?
Eu quando criei o meu blog o objetivo foi sobretudo publicar textos que escrevi porque a inspiração surgiu ou somente por desabafo. Idealizando assim este meu cantinho como um lugar onde posso dar-vos a ler aquilo que sou basicamente, porque tudo o que escrevo faz parte de mim.

2. Como definem o vosso estilo de roupa?
Eu acho que não tenho um estilo de roupa só, porque vou vestindo aquilo que gosto e que me apetece consoante os dias sem estar muito reservada apenas a uma forma de vestir. Mas gosto sobretudo de roupa com alguma inspiração boho.

3. Qual a vossa comida favorita?
 Podia dizer um prato qualquer do qual gostasse, mas a verdade é que aquilo que mais gosto mesmo é bolo de chocolate.

4. O que é para vocês um amigo?
Para mim um amigo é alguém presente, independentemente de os tempos serem bons ou maus. A amizade é uma relação em que ambos os lados oferecem e recebem, em que podemos confiar naquela pessoa a que chamamos de amigo, e partilhar com ela aquilo que quisermos sem medo de sermos julgados. Amigos são indispensáveis, mas é necessário saber reconhecer quais os verdadeiros.

Nomeados:

As minhas perguntas:
1. Qual a tua maior ambição?
2. Qual é para ti o maior valor?
3. Qual a tua música preferida?
4. Consegues definir felicidade?

Love, S.


domingo, 27 de setembro de 2015

Transformações

Riding Solo

Olho para mim mesma. 
Para o que sou agora e o que fui outrora. E por vezes não sei bem como me tornei na pessoa que sou.
Não sei se sou melhor ou pior do que antes, mas sei que estou mais forte e mais fiel aquilo que sou enquanto pessoa. Mas isso não significa que às vezes não acabe por cair, e quando assim é olho para mim novamente. Não acontece todos os dias. Não acontece todas as semanas. Não tem sequer um ciclo esta reflexão acerca de mim mesma. Mas sinto que é algo de bom, porque nem sempre dou valor aquilo que já superei, mas nestes momentos consigo ver que houve uma transformação. Consigo ver que não fiquei quieta no mesmo sítio a ver o tempo passar, mas que fiz algo. E tendo passado momentos melhores ou piores estou aqui. E sou mais eu. 
Às vezes tenho um pequeno receio que não gostem do meu eu, mas se assim for então não tenho razões para me esforçar para ser algo de diferente. Se assim fosse então deixava de ter a minha identidade para me moldar às expectativas de outros, e isso não é para mim.
Sei que vou cair mais vezes, e em algumas dessas duvidar da força que tenho para me erguer e daquilo que alcancei, mas vou sempre levantar-me novamente porque não gosto de desistir.

Love, S.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Últimos dias


Ultimamente tem sido uma correria para todo o lado, e eu ainda não me consegui habituar aos horários. Tanto de faculdade como dos transportes que tenho de apanhar. Tem sido uma nova fase  e ainda estou a ajustar-me a essa mesma.
Peço desculpa pela ausência mas prometo que vou arranjar mais tempo para vir ao meu cantinho e também aos vossos. 
Como tem corrido convosco?

Love, S.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #08


As meias de lã grandes e fofinhas quando se tem os pés gelados, daquelas que os aquecem mesmo nos dias mais frios, e que também nos reconfortam quando estamos doentes e sem vontade de fazer nada a não ser preguiçar (como eu neste momento :c).

Love, S.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

É qualquer coisa

Tumblr

O cheiro do incenso preenche o ar deixando um aroma um tanto adocicado. O fumo parece tentar elaborar desenhos no ar mas rapidamente estes se dissolvem dando lugar a um simples fio que se espalha. E o contraste deste com a luz natural que vem lá de fora do tempo cinzento e chuvoso cria uma atmosfera completamente diferente. E eu deixo-me simplesmente estar, deixo o tempo passar, mas não é tempo perdido.
Não sei bem explicar mas é um simples momento zen que gosto de ter de vez em quando e que me dá paz.

Love, S.

sábado, 12 de setembro de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #07

nightmare

O meu quarto,
 que é para mim um pedacinho do mundo no qual me posso refugiar em qualquer altura e sentir-me bem. É confortável e alegre com a decoração a meu gosto e tem pequenos "pedacinhos" de mim em forma de decoração e que espelham aquilo que sou.
(A imagem não é do meu quarto)

Love, S.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Nova fase

Diários

A entrada na universidade é algo que para mim está a ser acompanhado por um misto de sentimentos, porque se por um lado é uma meta que já tinha há bastante tempo e me sinto orgulhosa de alcançar, por outro lado tenho receio daquilo que não conheço, dado que até agora tive desde o 1º ao 12º pessoas que conheci desde o início.
Estes dias têm sido uma correria e passam a voar por entre os meus dedos!
Espero que tudo corra bem porque se desde praticamente sempre me tentei preparar para o futuro que quero traçar então quero ser feliz ao fazê-lo, com o apoio daqueles que amo e sei que estão a meu lado, e também com o vosso grande apoio com que sei que posso contar.
Alguém mais que esteja um bocadinho nervoso com esta nova fase?

Love, S.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Pequenos textos #04

.

Estar ali à espera estava a deixá -lo ainda mais ansioso. Normalmente não costumava visitar aquele recanto tão silencioso e forrado desde o chão ao tecto com livros e sentia-se a ser observado pela bibliotecária, que ele julgava estar a estranhar a presença de um ser estranho àquele ambiente ali sentado. Acalmou-se um pouco e recordou a razão pela qual esperava, até porque essa razão acabara de chegar com os cabelos pretos sacudidos pelo vento, o nariz rosado pelo frio, os lábios pálidos e uns olhos avelã que percorriam a sala. Vinha chateada com o tempo mas continuava a ser a mulher mais bonita que conhecia.
Depois de se sentar falaram um pouco e ela começou a explicação que tinham marcado no intervalo no dia anterior. E apesar da matéria ser secante, parecia quase uma melodia pela forma como a voz dela parecia ondular através dos cabelos despenteados dele e chegar aos seus ouvidos. Acabaram por falar um pouco sobre si, descortinando aos poucos traços um do outro.
Quando chegou a altura de se despedirem estava claramente um pouco triste com a forma como o tempo voara. Ela sorriu - lhe e disse:
-Até amanhã?
-Na aula?- perguntou ele com esperanças que não fosse apenas isso.
-E aqui à mesma hora?
Ele sorriu e isso chegou - lhe como resposta. Deu-lhe um beijo na cara e ele corou enquanto a via afastar-se.

Love, S.

sábado, 5 de setembro de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #06

.

Ouvir música da minha banda preferida num vinil, que para mim é uma das melhores formas de ouvir música, enquanto estou sentada no sofá e a tarde está a dar lugar à noite, fechar os olhos e viajar através das melodias. 

Love, S,

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Eu sou eu

Warm indie

Talvez sonhe demasiado,
Talvez stresse demasiado,
Talvez fale demasiado, 
Talvez cante demasiado,
Talvez pense demasiado,
Talvez escreva demasiado.
Talvez seja eu demasiado. 
Mas prefiro ser tudo em demasia do que não o ser, porque ser por metades é não ser eu.
Há dias em que adoro isso em mim e não o questiono, mas há outros em que não percebo porque sou assim. Esta "intensidade" em mim já veio de nascença ou foi-se desenvolvendo? Não sei bem dizer. Talvez um pouco das duas. Só sei que não quero ser um clone. Porque cada vez mais este quer ser igual àquele, e esse igual ao outro que viu aquela a fazer tal coisa. Num presente em que cada gente quer ser igual a todos os outros eu só quero ser eu. Não quero ser aquela pessoa que tenta ser diferente e só é vista assim porque nada faz de bom e é conhecida pelo mau. 
Quero somente e simplesmente ser eu. Imperfeita como sei que sou, mas igual a mim própria. 
Com isto é óbvio que não quero dizer que as pessoas não vão ter gostos, personalidades, sonhos, vontades, ambições, etc comuns. Porque se assim não fosse ninguém se ia entender com ninguém. Porque a verdade é que nos damos com pessoas com quem partilhamos pelo menos 1% de algo comum, a meu ver.
Sejamos por isso nós próprios, com as qualidades e defeitos que chamamos de nossos.

Love, S.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Sondagem

Untitled

Este blog é para mim como um cantinho meu no mundo. Um lugar aqui na blogosfera onde sinto pertencer e onde gosto bastante de partilhar convosco as minhas palavras, desde as mais reflectidas e bem ordenadas até às que escrevo em dias que a inspiração parece voar para longe de mim. Mas seja em que dias for este blog faz parte de todos eles e eu dedico-lhe muito carinho e atenção. E para continuar este meu "trabalho" (que não dá trabalho algum), gostava que se puderem respondam à sondagem que vou deixar na barra lateral. E se gostarem de alguma rubrica em particular podem deixar o nome nos comentários?
Muito obrigada :)

Love, S.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

I'm addicted to books #03



A rapariga no comboio
de Paula Hawkins

Eu não sou daquelas pessoas que compra livros porque estão na moda nem coisas do género, e este livro, apesar de estar no top dos best sellers do momento, chamou-me à atenção foi pela sua sinopse. 
Confesso que foi o primeiro thriller que li, porque até aqui também nunca procurei muito por este estilo, e não me arrependi nada. Bem pelo contrário, dado que é realmente uma leitura viciante que nos prende à sua história e nos lança em busca das respostas ao mistério.
Aqui vai o pequeno resumo, e espero não ser spoiler:
A vida de Rachel deu uma grande reviravolta nos últimos anos, o que a levou a refugiar-se no álcool e a afundar-se em si mesma. Sem perspectivas de um futuro melhor limita-se a viajar no comboio que tanto gosta e a observar as casas vitorianas que ladeiam um troço da linha, chegando mesmo criar vidas fictícias para um dos casais que vê numa delas. Idealizando a vida destes como algo perfeito, um romance de conto de fadas. 
Um dia algo estranho acontece e ela observa uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar confusa e saber que algo de mal se passa. A partir daí os acontecimentos começam a desenrolar-se a uma velocidade estonteante e ela passa a fazer parte desta intriga que une umas quantas personagens, e às quais o acontecimento vai sacudir das suas pacatas vidas.  

Portanto recomendo este livro, mesmo para pessoas que não estejam habituadas a thriller e suspense.
Já mais alguém leu? Se sim, gostaram?

Love, S.

domingo, 30 de agosto de 2015

Pequenos textos #03


Parecia uma casa fantasma pois todas as divisões se encontravam às escuras e o sol já se tinha posto, deixando assim ver as luzes dos candeeiros de rua que se projectavam através das cortinas para dar um ar mais misterioso ao ambiente. Aliás todas as divisões estavam assim excepto uma. Aquela em que o candeeiro de pé dava uma luminosidade suave que preenchia o pequeno espaço e o tornava acolhedor, dando-lhe uma sensação de conforto que aumentava ainda mais enquanto trabalhava no seu mais recente projecto de pintura. A sua camisa super larga com manchas de cor, o cabelo apanhado à pressa e com ar despenteado e as suas mãos cobertas de tinta. Nada tinha uma sensação tão familiar para si como aquilo era. Tinha descoberto a sua paixão quando era ainda muito nova e nunca a deixara escapar.
A noite tornava-se cada vez mais cerrada lá fora, mas nada mais importava como aquele seu pequeno mundo em que se refugiava quer em dias óptimos quer em dias péssimos. Era um porto seguro para o qual tinha a certeza de poder escapar. E as horas iam passando sem que desse por elas passar. Quando acabou era já madrugada, mas não estava com ar cansado, pelo contrário apresentava um sorriso na sua jovem cara. Depois de olhar para o resultado final sentia-se satisfeita e feliz. Não sabia qual seria o seu futuro com a pintura, não sabia se a levaria a grandes êxitos ou a lucros baixos. Se faria ou não daquilo a sua profissão ou se teria de arranjar algo mais. Mas sabia que quem corre por gosto não cansa, e se aquilo mais que um simples gosto era para si um amor então não deixaria algo que fazia parte da sua própria identidade.

Love, S.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #05

JK | via Facebook

Ler. 
Ler e ler sem parar. Até o livro acabar, mas não porque queremos que acabe. Queremos saber a história que este contém e as mensagens que nos deixa, as lições que até podemos aprender. Mas quando acaba é sempre um pouco estranho, aquilo a que eu chamo a minha "nostalgia literária".
Sou feliz a ler porque a vida deixa de ser só uma para se transformar em muitas outras enquanto folheamos cada novo livro, e porque a realidade que vivemos acaba por se dissipar nos momentos em que nos entregamos a outra realidade. Uma realidade escrita por alguém mas que sabe cativar e pela qual desejamos viajar enquanto absorvemos as palavras e folheamos as páginas.

Love, S.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Faculdade & fazer o que gosto

Boho style

Estou um pouco ansiosa em saber os resultados das candidaturas ao ensino superior, dado que a minha se encontra entre elas, mas ainda faltam bastantes dias e por isso tento manter-me zen. Mas para uma pessoa como eu isso é complicado... Até porque me esforcei desde, bem desde sempre, pelo menos desde o sempre que me lembro para poder entrar no curso que quero e para estar assim um pouco mais perto de uma carreira que há muito que ambiciono seguir.
Já fizeram o favor de me dizer que vou estar desempregada, ou que psicologia é um dos cursos mais escolhidos, entre muitas outras coisas deste género. Mas, e como digo sempre, eu faço-o por gosto. Não o faço porque muitos outros escolhem, visto que eu sou eu, um ser individual ou seja não sou o colectivo; nem o faço porque é aquilo que mais está a dar no mercado de trabalho, porque eu até poderia ir para um dos cursos que actualmente tem maior procura em termos de emprego e a) seria muito provavelmente infeliz ou b) quando acabasse o curso já tinha passado a "onda" e o mercado de trabalho já estava em busca de outra coisa qualquer.
Por isso orgulhosamente devota aquilo que me cativa sigo o meu caminho (:

Há mais alguém à espera dos resultados como eu?

Love, S.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #04

Sunflowers

Quando vejo as minhas flores preferidas (:
Não sei o porquê de serem os girassóis, mas há algo neles que me faz sorrir (não pensem que sou maluca... bem só um bocadinho :p).

Love, S.

domingo, 23 de agosto de 2015

#03- Uma carta para...

Untitled

Mim mesma
"Já adivinhas o que vou dizer certo? Bem tendo em conta que estou a falar contigo e tu és eu sim, já o sabes (vá já acabou o momento parvinho).  
Sabes que complicas demasiado algumas coisas que são tão simples que até a palavra "simples" já é demasiado complexa para os descrever... E sabes que devias tentar relaxar um pouco mais, não dando voltas e voltas na cabeça por coisas que ainda não aconteceram e que muitas vezes nem chegam sequer a realizar-se. Trabalha nisso e sabes que com o apoio que tens sempre de quem te ama vais melhorar. Pelo menos tenta. Experimenta o positivismo em vez do filtro de negativismo com que por vezes olhas em redor, mas sobretudo para ti própria.
Admitir os defeitos não é algo fácil, mas para ti parece que admitir as virtudes é algo ainda mais difícil. Não digo que te tornes narcisista, porque é algo que não aprecias nem combina contigo, mas tenta acreditar um pouco mais naquilo que és e que consegues fazer de bom. Porque todos nós devíamos saber dar-nos o devido valor sem cair em exageros. 
E, acima de tudo, persegue os teus sonhos! Corre atrás deles, agarra-os com força e se caíres enquanto isso acontece volta a levantar-te. Porque sabes bem aquilo que tens definido para ti e sabes bem aquilo que queres alcançar, só falta mesmo seres valente e acreditares.
Ama incondicionalmente. Não guardes rancor a memórias passadas, guarda lições. Dança, canta, salta, faz palhaçadas, ri, lê, escreve, joga, aperalta-te, e faz mil e uma coisas só porque gostas e só porque sim. Sê tu própria, e sê feliz com isso."

Bem escrever isto foi até um pouco desafiante porque fez-me encarar-me a mim mesma. E por vezes nós somos os nossos maiores críticos, mas quando queremos sabemos ver-nos de forma imparcial. Quem quiser desafie-se (:

Love, S.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Rimas soltas do coração

A flood of miracles wouldn’t be enough…

Quero-te com tanta urgência...
A cada momento que passa e eu te quero e tu não estás pesa tanto.
Porque te quero com uma vontade que é insaciável.
Porque todo o tempo parece tão pouco,
Porque quando estamos juntos passa a voar.
E eu quero o aconchego do teu peito,
O calor dos teus braços ao meu redor,
A tua boca preenchendo a minha.
Todo este ritual que conhecemos de cor
Mas que parece sempre novidade,
Como se cada beijo fosse o primeiro
Sem ti sou só metade 
Porque me preenches por inteiro.
E amor vive em mim porque te tenho
E sorrisos passaram a habitar não só os lábios
Como também o olhar,
Tudo o que tenho é teu, 
E todo o meu amor te vou sempre dar.


E estas rimas soltas que surgem por mera inspiração dedico-as ao motivo deste meu pequenino pseudo-poema (:

Love, S.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #03

Fotografia minha

Andar de eléctrico pela primeira vez e adorar completamente! Não só a experiência de um transporte diferente mas também o seu percurso por Lisboa e por algumas ruas com aquelas casas típicas em ruas estreitas e que ondulam pela cidade e lhe são características. 
Recomendo vivamente que se fizerem uma viagem como se fossem turistas experimentem ir de eléctrico.

Love, S.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

About being veggie (e a família)

Brunch Baby

Então este post como devem saber (maybe pelo título :p) vai ser sobre a relação da minha família com o vegetarianismo, e deixo já a nota de que alguém que não tenha interesse algum pelo tema pode simplesmente não o ler porque eu não o levo a mal de certeza mas não vou entrar em detalhes sequer a explicar o que faço.

Bem deixada a nota, aqui vai:
Eu há relativamente pouco tempo, tendo em conta que ainda só passaram alguns meses, iniciei-me neste modo de vida, dado que para mim não se baseia somente numa dieta. Os motivos pelos quais o comecei são diversos e explicá-los não é fácil nem sempre facilmente aceite, mas faz-me sentir realmente bem e acho que isso é o mais importante.
A minha família (aqueles que sabem) nunca o vai aceitar totalmente nem compreender as razões, mas o que me chateia é o facto de o criticarem ou as típicas piadas sobre o assunto. Sobretudo o meu irmão que acha que tem o direito de criticar constantemente, apesar de não saber qual é o problema dele porque eu não critico ninguém pelo que come e não faço juízos de valor. Mesmo assim a ideia já está mais assente na sua cabeça e assim é mais fácil porque isto não é uma moda ou fase como fizeram questão de dizer quando falei sobre isto.
Quem me apoia totalmente é o meu amor, que faz parte da família, e que vai apoiar sempre mesmo sem eu ter de o pedir.

Love, S.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Mais de 1000 razões para sera feliz #02

Imagem minha

 Passar os dias num lugar tranquilo a relaxar não só o corpo mas também a mente e a aproveitar o tempo para pôr a leitura em dia.

Love, S. 

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Mais de 1000 razões para ser feliz #01

Lydia May | via Tumblr

Aderindo ao desafio que a Marianna Colibri nos coloca de encontrar razões para a felicidade, e que tem inspirado tantos blogues, proponho-me também eu a registá-las neste meu cantinho que tanto acarinho.
Por isso cá vou eu!

Ter este meu cantinho na blogosfera que me faz tão bem! Porque sejam dias bons ou menos bons (mantendo a onda de positivismo nesta definição :p) aqui sinto-me em casa e sinto-me compreendida e apoiada por vocês que me lêem e me colocam um sorriso no rosto com as palavras que aqui me deixam. 
E, por isso mesmo, também vos agradeço o contributo para a minha felicidade (:

Love, S.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

TAG: The Ice Cream Award

Fui nomeada para esta TAG pela IceQueen e antes de mais peço desculpa pela demora :( mas como a maioria dos meus posts até agora já estavam escritos e estive de férias foi um pouco complicado. Mas agora aqui vai!



Regras:
Colocar o selinho da TAG (a imagem acima);
Responder a todas as perguntas;
Nomear 5 a 15 blogs para responder

Perguntas:
1.Qual o teu gelado favorito?
Os meus gelados preferidos (porque não consigo ter apenas 1 :b) são da Carte D'or e Ben&Jerry's.

2. Quais os seus principais ingredientes?
São morango e merengue num e no outro cheesecake de morango.

3. Deixa aqui uma foto dele.


    



4. Qual o gelado que menos gostas e porquê?
O Solero Mojito, o sabor enjoa-me.

5. Magnum ou Cornetto?
Magnum, na maioria das vezes.

6. Magnum Pink ou Magnum Black?
Provei o Pink e não achei nada de especial porque falta-lhe sabor. Falta provar o Black, como tem sabor a café pode ser que seja um sabor mais intenso.

7. Dos Cornetto Básico qual o teu favorito: Morango, Limão, Natas ou Chocolate?
Natas.

8. Dos Calipo qual o teu favorito: Limão, Morango, Coca-Cola ou Laranja? 
O de Limão e o de Coca-cola.

9. Qual o gelado da Mc'Donalds que mais gostas e porquê?
O McFlurry de Oreo, porque sou apaixonada pelo sabor de oreo tanto no chocolate como no gelado.

10. Deixa uma imagem dele.

Mc Flurry

Terminadas as perguntas (e com a minha barriga a implorar por gelado) chega a parte das nomeações e esta é a parte em que espero que não seja batota dizer que quem quiser pode realizar esta TAG, porque como há muitas bloggers de férias e como já vi que muitos blogues a realizaram deixo esta parte assim (:

Love, S.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Longe de ti


Longe de ti meu amor nada está completamente bem...
 Porque a saudade aperta o meu coração e a garganta ganha um nó e nada parece inteiramente certo e o sentido do meu tão vivo sorriso perde-se algures nos dias que passo sem ti.
Porque preciso de te ouvir sussurrar ao meu ouvido coisas doces , do calor do teu abraço, da perfeição do teu beijo, dos teus dedos passando pelos meus cabelos e dos momentos que passamos juntos.
 Nada é o mesmo que ter-te a meu lado a partilhar comigo a alegria de viver. Mas mesmo longe fazes-me feliz e preenches a distância com o teu amor.

Love, S.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

#08


Sou uma pessoa bastante determinada e que de tudo faz para realizar algo que queira realmente ou uma meta a que me proponha chegar. O problema é que sou igualmente uma pessoa insegura e que raramente acho que fiz tudo bem ou que fui suficientemente boa, conseguindo sempre apontar defeitos a mim própria. E isso chateia-me bastante...

Love, S.

domingo, 9 de agosto de 2015

Pequenos textos #02


Love.

-Fala comigo... Diz-me o que te vai na alma por favor.
-Nem eu sei. Só sei que quero ir embora- respondeu June.
-Então vamos embora. Anda. - disse ele estendendo a mão.
-Não estou a dizer daqui, deste lugar em particular- disse irritada, enquanto o seu olhar percorria aquela sala com demasiada luz, demasiado fumo, demasiada gente, com música que a ensurdecia, com um ambiente demasiado deprimente cheio de gente que tentava esquecer algo.- A verdade é que estou cansada deste lugar em que vivemos. Quero ir para algum lado em que tudo pareça bater certo.
-Sabes que podes não gostar do lugar onde estás, mas isso que sentes não está apenas relacionado com um lugar físico.
-Que estás a tentar dizer?
-Tu sentes isso porque...-estava hesitante e os seus olhos focaram-se nela repentinamente- Porque tentas escapar de ti própria, da pessoa que já foste neste lugar. Porque já fizeste demasiada asneira mas foste capaz de a superar... O problema é que tens medo de se continuares aqui caíres na mesma rotina, nos mesmos vícios. 
Magoada com ele, com as palavras proferidas de forma tão frontal mas certeiras, tentou afastar-se. Mas não conseguiu. 
-Tens razão, mas não precisas que eu admita porque tu já o sabes. 
-Não me importa estar ou não certo, importas-me tu. Importa o nosso amor e a fé que tenho em ti, porque sei que serás capaz de tudo aquilo que realmente queiras e já o conseguiste provar, só falta provares a ti própria.
Ele deu-lhe a mão e encaminharam-se para a saída. Já com o ar frio da noite a atingir os seus corpos abraçaram-se e seguiram para o carro. Ele conduziu não sem destino como aconteceria num filme, mas sim para a sua casa, a mesma de sempre, naquele lugar do qual ela queria sair, mas esta noite era diferente. Diferente porque ela percebera que a sua casa era ele, que onde quer que estivessem tudo estava bem, desde que estivessem juntos.

Espero que gostem de mais um texto (fictício) desta rubrica.

Love, S.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Olhando à volta

IG CREDS: ITSALAINANOELLE💐

Gosto de observar as árvores e a forma como o vento ondula por entre as suas folhas, 
ver as flores que são simplesmente simples mas imensamente belas,
ouvir o canto dos pássaros, mesmo que seja de manhã cedo não me consigo zangar com tal cantar,
seguir com o olhar as nuvens que vão passando e viajando pelo céu com diversas formas e feitios,
do cheiro a relva molhada ou acabada de cortar,
de poder ver o sol nascer e desaparecer lentamente,
de receber a lua e admirar a sua beleza juntamente com as suas estrelas.

Gosto da natureza, da sua simplicidade e complexidade. Podia estar horas e horas contemplando tudo o que se desenrola como um espectáculo, mas por vezes nem dou por isto que me rodeia. Estando demasiado absorvida em tudo o resto esqueço as simplicidades que podem fazer-me sorrir. Mas escrevo isto como um lembrete para mim própria, para olhar mais vezes em redor e observar com atenção e não apenas vislumbrando tudo rapidamente como tantas vezes acontece.

Love, S.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

I'm addicted to books #02



Se eu ficar
de Gayle Forman

Este é um livro daqueles que nos atinge completamente... Ou pelo menos a mim atingiu. A sua história foi adaptada ao cinema, mas eu por acaso ainda não a vi, e para mim é óbvio que os livros são sempre melhores que o filme. A imaginação é um lugar sem limites!
 Bem quanto à história propriamente dita, e sem tentar dar spoile:
Para Mia, uma jovem que dedica corpo e alma à música, esta sempre foi algo essencial. E depois do acidente de viação que sofre com a família esta é a primeira coisa com que tem contacto. Sem perceber o que se passa consegue ver-se fora de si própria e durante as próximas 24h tenta entender o que se passou enquanto se debate com a decisão que vai ter de tomar. E durante este tempo que será decisivo revive momentos do passado e apenas pode assistir impotente aos médicos que tentam salvar a sua vida... Será que quer ser salva? 
A decisão é sua... mas é a mais difícil que alguém lhe poderia colocar. Mas com ela continua a questão:
Se eu ficar...


Love, S.

domingo, 2 de agosto de 2015

Pequenos textos


Untitled

O maravilhoso espectáculo que era o pôr do sol já estava a acabar para sua tristeza. 
Tinha tirado o dia só para si e as horas tinham voado com uma rapidez que lhe dava tonturas agora que pensava nisso. De manhã acordara e depois do habitual duche decidiu que não tinha de ser um domingo igual a todos os outros. Por isso vestiu o biquíni e um vestido que já não vestia quase há um ano, mas que sempre adorara, pegou numa maçã, no livro que já habitava a sua mesinha de cabeceira há um mês mas que mal fora lido e nas chaves e saiu porta fora. Sem qualquer rumo, sem relógio e até sem o telemóvel.
Foi de carro até à sua praia preferida, que era aquela que maior parte das pessoas desconhecia e que ela encontrara por acaso com a família muitos anos antes. Àquela hora estava completamente vazia porque grande parte das pessoas ainda se encontravam envoltas num sono com ou sem sonhos. Como tinha sempre no carro o seu saco de praia e o chapéu de sol levou-os consigo e depois de se instalar confortavelmente numa pequena duna retirou o livro e aventurou-se pelas suas páginas onde se escondia um outro universo paralelo ao seu mas que a fazia viajar horas e horas a fio. Quando decidiu fazer uma pausa comeu por fim a maçã e deitou-se a apanhar sol enquanto este ainda não a queimava muito, já que sol a mais não a cativava nem um bocadinho. Mergulhou nas ondas, apanhou conchas, leu mais um pouco mas quando a praia já tinha mais movimento e o calor a atormentava decidiu ir almoçar. Durante a tarde passeou-se pelas ruas estreitas e pelas pequenas lojas daquela vila costeira onde tinha passado todos os Verões durante a sua infância e grande parte da adolescência e que conhecia ainda como a palma da sua mão.
Quando o sol se começava a pôr foi até ao farol e sentou-se a observar a rebentação das ondas como tantas vezes tinha feito noutros momentos em que tudo estava bem ou mesmo naqueles em que tudo ameaçava desmoronar-se. Reviveu na sua memória momentos que sabia que não iam voltar mas que iria sempre acarinhar no seu coração. O dia tinha passado a correr por si, mas podia ficar ali só mais um pouco a observar tudo e libertando as lágrimas das recordações que largavam agora os seus olhos e quem sabe talvez a brisa as fizesse chegarem ao mar...


Espero que tenham gostado deste pequeno texto (fictício) que aqui vos deixo com a promessa de mais alguns do mesmo género se tiverem gostado (:

Love, S.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Saudades...


Dog

da piscina! 
Quero tanto passar horas e horas a nadar tal como acontece todos os verões e espero que este não seja excepção! Até porque gosto muito mais de estar na água do que a bronzear horas a fio deitada na toalha. 
Tenho saudades do cheiro a protetor, dos dias prolongados até às noites que queremos que não acabem e aproveitar o tempo maravilhoso, ver as estrelas e estar na esplanada simplesmente a conversar, saudades de dias cheios de alegria porque as férias parecem fazer as chatices dissipar. 
Espero que agora que vai chegar Agosto o verão seja por mim vivido em pleno juntamente com aqueles que farão parte das minhas férias.

E a vocês desejo também umas excelentes férias e uma óptima continuação das mesmas (:

terça-feira, 28 de julho de 2015

As respostas (:

Untitled | via Tumblr

Aqui deixo as respostas às vossas perguntas e agradeço terem-nas colocado, porque é com todo o gosto que vos respondo (:
Aqui vai:

Qual o teu maior sonho? Catarina
Esta pergunta é um tanto difícil, mas essas são das melhores, e é assim porque tenho tantos sonhos guardados em mim! Mas sem dúvida que o maior é ser o mais feliz possível! Cliché? Não sei se o acham, mas a verdade é que é esse. Porque para mim ser feliz dessa forma é porque terei realizado os meus principais sonhos (espero que isto não seja batota!), e esses são: ter uma família feliz, genuinamente feliz e em que o amor e a confiança mútua sejam a base; conseguir seguir uma carreira que me realize e poder viver ao máximo todas as experiências, viagens e momentos que a vida nos proporciona. 

Como vieste parar aqui à blogosfera? Rosarinho
Eu descobri a blogosfera há uns anos, apesar de este meu blog é recente. Acho que descobri este mundo quase como por acaso, e à medida que ia lendo alguns blogues fiquei cada vez mais interessada nele, e como sempre gostei bastante de escrever criei um blog meu para libertar as palavras que tinha dentro de mim mas que guardava. E fico tão feliz por aqui estar (:

Como te chamas
Gostas de animaçao? =D Tiara
Eu no blog utilizo o nome de S. porque como mantenho o anonimato escolhi esse nome.
Eu gosto de animação, sempre gostei, é uma arte que eu admiro bastante, sobretudo anime. Mas ultimamente não tenho assistido a nada de séries, mas filmes vejo sempre (:  Há alguns que nunca perdem a sua magia.

Quantos anos tens?
Em que área/curso estás?
Quais as tuas séries favoritas? Violet
Tenho 18 anos.
No secundário estive na área de humanidades, agora estou a tentar entrar para o curso superior de Psicologia.
Já tive uma lista bastante longa de séries mas agora não acompanho muitas, mas são: Under the dome, Mentes Criminosas e New Girl (apesar de nesta estar um pouco atrasada :c).

Qual é a tua melhor memória?
Verão ou Inverno?
Onde te imaginas daqui a dez anos? Cláudia S. Reis
Bem esta também é difícil, mas uma das melhores sem dúvida foi quando o meu amor me pediu em namoro e me consigo lembrar como se fosse hoje da chuva a cair e de como estava a lua, e de saber assim que nos abraçámos que algo mágico aconteceu naquele momento e que eu não seria a mesma pessoa a partir daí.
Verão, a minha alegria nos meses de calor não tem limites (:
Daqui a 10 anos... espero ter uma casa própria e partilhá-la com quem amo, espero estar num emprego no qual me sinta bem e no qual me sinta realizada (apesar de saber que isso é complicado...) e quem sabe estar a começar uma família.

1.Que idade tens? 
2.Qual é a tua área de estudos?
3.O que gostas mais na tua vida? Angel A

Tenho 18 anos.
Até agora no secundário foi humanidades, mas pretendo seguir psicologia.
O que mais gosto na minha vida é que independentemente dos meus dias, mesmo naqueles muito maus, consigo ter razões para sorrir e acho que é isso que me realiza. Ter motivos para sorrir e alguém que se faz de tudo para eu soltar uma gargalhada.

O que gostas de fazer nos tempos livres?
Que curso gostavas de tirar?
De onde és? IceQueen

Gosto bastante de ler e de desenhar, de dançar e também de dar grandes passeios, mesmo que não seja com rumo definido.
Gostava de tirar Psicologia, porque está relacionada com questões que sempre me fascinaram (:
Sou de Sintra.

Qual é a tua viagem de sonho? 
Qual é o teu estilo musical? J.

A minha viagem de sonho é ir à Índia, porque tem paisagens e uma cultura que acho fascinantes (:
Rock alternativo e Indie pop.

Hm deixa cá ver: Tu adoras-me não é? :P Pepper Girl
Claro que ... SIM! A minha melhor amiga e das pessoas que me mais admiro, não havia hipótese senão adorar-te (: ❤

O que mais gosta de fazer no tempo livre? :) Evelyn De Cândia
Ler, desenhar, dançar e passear sem qualquer rumo (:


Bem, e é tudo! Espero que tenham gostado e que as respostas às vossas perguntas tenham sido boas (:


Love, S.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Perguntem-me



(sei que a imagem não tem nada relacionado com o post mas achei-a bonita)

Tendo como base muitos posts que já vi e que sempre achei engraçados decidi fazer também o mesmo:
Façam-me perguntas 
(isto é se quiserem é claro :p )
Se houver algo que quiserem saber, ou que tenham curiosidade, basta perguntarem até porque terei todo o gosto em responder e acho que cria uma dinâmica muito divertida e que me permite interagir mais convosco que lêem este meu cantinho no mundo da blogosfera.
Fico à espera com muita curiosidade!


Love, S.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Dia de praia


Lost in Paradise.

Hoje como é dia de semana lá aproveitei para a minha 1ª ida à praia, durante todo o dia, deste ano. 
Felizmente não estava muita confusão, nem aquele típico grupo que quer que toda a gente saiba das suas conversas e se cola à nossa toalha. Por isso foi bastante positivo e animado até porque para além de ir com o meu amor fomos com amigos (:
E estou tããão cansada que acho que até vou dormir melhor hoje!

P.s: Muito obrigada por todos os vossos comentários no primeiro número da minha "rubrica" sobre livros (:


Love, S.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Im addicted to books #01

Cactuslove

Looking for Alaska
 de John Green

Um de alguns dos livros que já fizeram parte destas férias e que sem dúvida cativou sobretudo por uma das questões que nos coloca. Sem tentar revelar demasiado da história caso alguém vá ler:
é uma história que se centra na ida de Miles para uma escola longe da sua casa e sobre o seu novo grupo de amigos que não são iguais a todos os outros jovens. Neste seu grupo encontra Alaska, uma rapariga linda, inteligente, mas também um pouco transtornada e deprimida por um acontecimento da sua infância, e Miles apaixonou-se perdidamente por esta rapariga fora do vulgar. O enredo da história é bastante divertido e dá-nos a descrição das peripécias realizadas pelo grupo e faz-nos sorrir. Mas... Algo terrível acontece e a vida daqueles que estão envolvidos na história dá uma reviravolta após a tragédia que os atinge. (Eu, pessoalmente, não previa aquilo que acontece.) E Miles acaba por descobrir o sentido de viver e de amar sem limites.
A questão que nos é colocada e que me fez pensar é colocada pelo livro favorito de Alaska e é a seguinte "Como é possível sairmos do labirinto?". A pergunta assim colocada parece estranha, mas com o avançar da história percebemos que esse labirinto é o labirinto do sofrimento. Aquele que por vezes nos troca as voltas e nos prende aos nossos erros e àquilo que aconteceu de mau e marcou a nossa vida. E a resposta a que o protagonista chega é a seguinte:
"The only way out of the labyrinth of suffering is to forgive.".
Talvez a saída seja mesmo o perdão, porque se estivermos presos àquilo que é mau vivemos atormentados e presos aos nossos erros passados.

Love, S.


domingo, 19 de julho de 2015

#07


Untitled

Às vezes, mesmo em dias que podem ser considerados grandes candidatos a dias de praia, prefiro não me ir infiltrar entre muita gente e ficar num sítio mais sossegado a ler o meu livrinho e a beber chá. Porque para mim o chá a acompanhar o livro, ou mesmo o livro a acompanhar o chá, são das melhores combinações de todas!

Love, S.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A minha casa



Untitled

A definição de casa no dicionário: "Nome genérico de todas as construções destinadas a habitação.".
Mas que descrição tão genérica e tão desprovida de valor para o que a casa pode significar para cada um de nós, não concordam?
 Para mim a casa é onde eu me encontro a mim mesma, tal como diz a imagem é onde está a minha luz. E para mim a casa não é necessariamente o sítio onde habitamos. A casa é algo que nos permite sermos nós sem termos de reprimir alguma das nossas facetas. Não estou com isto a querer dizer que não devemos ser quem somos em público. Nada disso! Até porque sou das pessoas que mais defende que cada um seja como é, sem fingir. Mas existirão sempre coisas mais íntimas, como sonhos, aspirações, recordações, que não vamos gritar pelas ruas. E por isso mesmo é que a minha casa constituída não só pelo local mas também pela pessoa com quem serei completamente genuína e à qual me entrego como sou, sem receio que me possa apontar o dedo.
Bem... Talvez esta ideia de a casa poder ser uma pessoa vos pareça um pouco invulgar, mas é o melhor que sei explicar o que sinto.

Bom fim de semana (:

Love, S.