segunda-feira, 20 de julho de 2015

Im addicted to books #01

Cactuslove

Looking for Alaska
 de John Green

Um de alguns dos livros que já fizeram parte destas férias e que sem dúvida cativou sobretudo por uma das questões que nos coloca. Sem tentar revelar demasiado da história caso alguém vá ler:
é uma história que se centra na ida de Miles para uma escola longe da sua casa e sobre o seu novo grupo de amigos que não são iguais a todos os outros jovens. Neste seu grupo encontra Alaska, uma rapariga linda, inteligente, mas também um pouco transtornada e deprimida por um acontecimento da sua infância, e Miles apaixonou-se perdidamente por esta rapariga fora do vulgar. O enredo da história é bastante divertido e dá-nos a descrição das peripécias realizadas pelo grupo e faz-nos sorrir. Mas... Algo terrível acontece e a vida daqueles que estão envolvidos na história dá uma reviravolta após a tragédia que os atinge. (Eu, pessoalmente, não previa aquilo que acontece.) E Miles acaba por descobrir o sentido de viver e de amar sem limites.
A questão que nos é colocada e que me fez pensar é colocada pelo livro favorito de Alaska e é a seguinte "Como é possível sairmos do labirinto?". A pergunta assim colocada parece estranha, mas com o avançar da história percebemos que esse labirinto é o labirinto do sofrimento. Aquele que por vezes nos troca as voltas e nos prende aos nossos erros e àquilo que aconteceu de mau e marcou a nossa vida. E a resposta a que o protagonista chega é a seguinte:
"The only way out of the labyrinth of suffering is to forgive.".
Talvez a saída seja mesmo o perdão, porque se estivermos presos àquilo que é mau vivemos atormentados e presos aos nossos erros passados.

Love, S.


13 comentários:

  1. É um livro que eu quero ler há já algum tempo! E depois deste pequeno "resumo" quero ainda mais! :)

    ResponderEliminar
  2. Ai o John Green da cabo de mim. Ja tinha lido alguns resumos, mas o teu deixou-me ainda mais com vontade de ler. Cheira-me que vou gostar muito desta rubrica.
    R: Sim, faz! Eu acho que estes posts de perguntas e respostas são muito interessantes, adoro ler.

    ResponderEliminar
  3. Li esse livro há um ano e está no meu top 3. É espetacular.

    ResponderEliminar
  4. Faz todo o sentido. As vezes o nosso mal é que dizemos perdoar é não esquecemos o que acaba por não ser um perdão de verdade. Mas existem coisas na vida que tem mesmo de ser esquecidas e perdoadas para que possamos viver e ser felizes.

    ResponderEliminar
  5. Há que séculos que não pego num livro, ou por falta de tempo ou por preguiça. Tenho de voltar às leituras!

    ResponderEliminar
  6. Apesar do John Green escrever livros de partir o coração, adoro lê-lo! Já li o "A culpa é das estrelas" e o "Cidades de Papel". Este está na minha lista para ler também :)

    ResponderEliminar
  7. Essa versão de capa é lindinha!
    Gostei do breve resumo. Tenho curiosidade em ler, mas ao mesmo tempo fico com receio, pois no momento não quero histórias tristes.
    Quem sabe não dou uma chance?! =)

    ResponderEliminar
  8. Só pelo que falaste neste post do livro, fiquei com ainda mais vontade de ler

    ResponderEliminar
  9. Há algo que dig sempre em relação ao perdão: " não perdoar alguém é o mesmo que beber veneno e esperar que seja o outro a morrer". Não conhecia o livro, mas a tua pequena descrição e o titulo cativaram-me.

    ResponderEliminar
  10. Cada vez tenho mais vontade de ler um livro desse autor :)

    ResponderEliminar
  11. Obrigada pela dica, era justo o que precisava, vou procurar.
    Beijinhos👄

    http://lovingmypinkbubble.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

"Sei que só há uma liberdade: a do pensamento."
-Antoine de Saint-Exupéry